Apesar do seu forte apelo ambiental já que se trata de uma das mais limpas fontes de energia elétrica já criada pelo homem, a principal questão para quem procura energia fotovoltaica é como economizar energia elétrica e como economizar o dinheiro que seria gasto com a conta de luz. A maioria das pessoas já conhece a energia solar e como ela está rapidamente se tornando a principal fonte de energia limpa do futuro. O que muitos ainda desconhecem é que, através dela (e da tecnologia fotovoltaica), já é possível para os consumidores gerar a sua própria energia, conquistando, assim, a independência energética.

Hoje em dia já é possível que o consumidor que deseja tornar-se um produtor de energia possa fazê-lo através da instalação de painéis solares no telhado de sua casa ou empresa. A RN 482/12 da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica)  estabelece as regras para este sistema de “compensação de energia” (o que nós estamos chamando de “créditos de energia” ou “lei de incentivo a energia solar”). É esta resolução que permite você fazer esta “troca” de energia com a rede elétrica.já tem todo o processo regularizado.

Os módulos fotovoltaicos (conhecidas como placas solares), captam a luz do sol e a transformam em energia elétrica através de um processo eletroquímico, chamado de efeito fotovoltaico.

armenio-carreira-modulos-fotovoltaicos-modulo-fotovoltaico-para-microg

Essa energia elétrica é gerada em corrente contínua, a qual passa por um equipamento chamado inversor interativo e convertida em corrente alternada, que então é enviada para o quadro de distribuição do imóvel e utilizada para alimentar todos os equipamentos elétricos.

Inversor Solar

O sistema solar fotovoltaico chamado off-grid é aquele que não está conectado à rede elétrica convencional. Pode abastecer locais remotos, como propriedades rurais, e equipamentos isolados, como radares de estradas. Já o on-grid é o sistema solar fotovoltaico conectado à rede elétrica. Pode abastecer edificações completas ou apenas algumas de suas instalações. Em muitos países onde o sistema on-grid é amplamente utilizado é possível que o proprietário venda o excedente da eletricidade produzida pelo seu sistema fotovoltaico para a concessionária da energia, o que gera ainda mais economia.

solar_rede.jpg

Com um desses sistemas On-grid, você pode gerar toda a energia que consome e o excedente ainda vai para a rede da distribuidora e volta para você na forma de créditos energéticos, os quais são utilizados para abater do que foi consumido a mais da rede.

Abaixo apresentamos os 4 (simples) passos que você precisa seguir para gerar energia, economizar na conta de luz e ainda fazer parte desse movimento sustentável, retirado do site Ciclo Vivo:

iStock-158918050.jpg

“1 – Dimensionamento e orçamento

Um sistema fotovoltaico de um consumidor nunca será igual ao de outro, isso porque cada um é dimensionado e projetado levando-se em consideração os dados de consumo e geração de cada consumidor.

Portanto, na hora de procurar uma empresa de energia solar, o primeiro passo que você deve tomar é saber exatamente o quanto consome de energia, sendo recomendado que você calcule a média de consumo dos últimos 12 meses.

Dessa forma, a equipe comercial/técnica da empresa poderá facilmente dimensionar e orçar um sistema que irá atender a esse consumo. Nessa fase, será definida a quantidade de placas solares necessárias, assim como a dos outros equipamentos e componentes do sistema.

2 – Custo e Payback

Exatamente por possuir essas varáveis em seu dimensionamento, o valor do sistema também irá mudar de caso para caso, porém, podemos estimar um valor médio de um sistema de 4,3 kWp em R$ 32.400,00, incluindo já o projeto, equipamentos e instalação.

Muitos ainda acham caro o investimento, mas outro dado importante a ser analisado é o Payback do sistema, como também é conhecido o tempo de retorno do investimento.

Visto que, um sistema fotovoltaico possui uma vida útil acima de 25 anos, o valor que ele irá retornar ao seu proprietário ao longo desse período, através da economia obtida na conta de luz, pode facilmente superar o investimento em outros ativos do mercado financeiro.

3 – Fechamento e visita técnica

Depois de conferir o orçamento, caso você aprove os valores e formas de pagamento, inicia-se então o segundo passo, que é o fechamento da venda e a visita técnica ao local de instalação.

Após a elaboração dos contratos, a equipe técnica da empresa irá até o local da sua residência ou empresa para obter todos os dados necessários para a elaboração do projeto e a implantação do sistema.

Esses dados incluem o espaço disponível no telhado para instalação dos módulos (assim como seu grau de inclinação), melhor local para instalar o inversor, condições da fiação elétrica do imóvel, entre outros.

iStock-106394704-1024x683.jpg

4 – Projeto e Instalação

Após a coleta, o próximo passo é o envio dessas informações para a equipe de engenharia da empresa, a qual irá realizar todo o projeto executivo do sistema, utilizando-se de softwares específicos para isso.

Nessa fase, são estudados todos os fatores que influenciam na geração de energia pelo sistema, como possíveis locais de sombreamento, condições climáticas locais, entre outros. Além disso, uma boa equipe irá se atentar também a estética do sistema, visando unir eficiência energética e estilo.

Após a conclusão do projeto, inicia-se o processo de instalação. A logística da empresa irá analisar e preparar todos os equipamentos e materiais que serão utilizados pela equipe de instalação, e depois enviá-los ao cliente, juntamente com as respectivas notas fiscais, conforme a data previamente estabelecida entre o mesmo e a empresa.

A equipe de instalação irá, então, até o local para iniciar a instalação do sistema. O processo inclui desde a fixação dos painéis nos telhados, até a instalação e conexão do inversor interativo junto ao quadro elétrico da propriedade.

Finalizado a instalação, serão feitos todos os testes necessários para conferir o funcionamento do sistema e, estando tudo ok, serão colocadas as placas sinalizadoras de geração distribuída.

A equipe técnica da concessionária de energia local irá, então, até o local para averiguar se o sistema está de acordo com o projeto apresentado. Após tudo conferido, é feita a substituição do relógio de luz pelo modelo bidirecional, (que registra a energia que entrou e saiu), conexão do sistema junto à rede de distribuição e pronto, você está gerando sua própria energia.”

Caso existam mais dúvidas, o ideal seria procurar por empresas já consolidadas no mercado.

Gostou desse artigo? Compartilhe com seus amigos! Vamos fazer chegar ao máximo de pessoas possível!

Tem dúvidas, críticas, sugestões? Divida comigo e me ajude a melhorar esse blog! Faça seu comentário!

Fontes:

Anúncios