Startup testa 500 bueiros inteligentes (e antidengue) em São Paulo para minimizar alagamentos

Solução da Startup Net Sensors emite sinal para a Prefeitura sempre que bueiros atingem 70% da capacidade

A cidade de São Paulo começou a semana com mais de 60 pontos de alagamento – e ainda permanece em alerta. O volume de água foi o maior para o mês de fevereiro em 37 anos. Vias fechadas, trens parados e o caos instalado: a cidade parou.

Uma startup já vem trabalhando, desde o final do ano passado, em parceria com a Prefeitura da cidade para tentar minimizar e prevenir problemas como este.

A Net Sensors, empresa brasileira de tecnologia, integração e automatização, especializada no desenvolvimento de soluções sustentáveis para cidades inteligentes, dá mais um passo para que prefeituras, empresas concessionárias de limpeza pública e até empresas privadas interessadas em projetos sociais coloquem em prática a gestão inteligente dos bueiros de seus municípios. A companhia apresentará sua tecnologia capaz de gerar importantes benefícios sociais, ambientais e econômicos, possibilitando agir preventivamente na limpeza dos bueiros antes das chuvas. Além disso, a empresa lançará, nos bueiros por ela monitorados, um larvicida biológico homologado pela Anvisa, que reduzirá substancialmente a proliferação do Aedes Aegypti, uma vez que o local é um dos principais criadouros do mosquito.

Os chamados Bueiros Inteligentes e Antidengue, que já possuem patente requerida junto ao INPI, terão além dos atuais chips GPRS de telefonia móvel, também a possibilidade de conectividade através da tecnologia LoRa. Trata-se de uma rede sem fio de baixa potência (as chamadas LPWAN’s -Low Power Wide Area Network), com longe alcance (3 a 15 km), baixo consumo de bateria (até 10 anos), alta segurança, bidirecional (uplink e downlink), com padrão aberto e total mobilidade.

Net Sensors, fundada pelo empreendedor Carlos Chiradia instalou 500 bueiros inteligentes, que funcionam com IoT (internet das coisas), na zona norte da capital paulista. Eles atuam em modelo de teste por meio do consórcio Limpa SP. São estimados 450 mil bueiros e bocas de lobo em toda a cidade.

O equipamento consiste em um filtro com um cestinho acoplado, encaixado no bueiro, que conta com um sensor volumétrico. Quando o cesto atinge 70% da capacidade, o sensor emite o alerta para as equipes de limpeza do consórcio vinculado à Prefeitura. “A empresa planeja investir cerca de R$ 3 milhões nos próximos dois anos em novas soluções e tecnologias, como Inteligencia Artificial, por exemplo”, adianta.

“Com nossa tecnologia, oferecemos o serviço de gestão e monitoramento dos bueiros, que reduz em 51% o custo operacional de limpeza, se comparado ao atual custo de manutenção dos bueiros, além de minimizar a incidência de despesas extraordinárias nos caixas das Prefeituras, destinadas a obras e serviços emergenciais, de infraestrutura e de restauração, geradas pelas enchentes”, enfatiza Chiaradia.

Além disso, segundo o executivo, a parceria com a Climatempo permitirá a oferta de um pacote de serviços ainda mais estratégico, com informações, em tempo real, da situação climática dos pontos monitorados, emitindo alertas à equipe de limpeza de rua, com duas horas de antecedência, indicando a probabilidade de chuvas fortes para evitar os alagamentos.

A implantação do cesto coletor com o sensor IoT e o larvicida biológico antidengue trazem inúmeros outros benefícios à sociedade: menor impacto ambiental, dada a remoção do lixo, que, em geral, escoa com as águas da chuva direto para os corpos hídricos (rios, córregos e mares); a destinação correta do lixo coletado; a redução dos pontos de alagamentos, uma vez que os bueiros estarão desobstruídos; e a prevenção de doenças, como a Dengue, a Chikungunya e o Zika Vírus, em razão do larvicida biológico depositado em compartimento específico, que mata, em questão de minutos, as larvas do Aedes Aegypti, antes de se transformarem em mosquito, sem fazer mal a humanos e nem a outros insetos. “Vale ressaltar que dados no Ministério da Saúde apontam um total de 1,5 milhões de casos de Dengue em 2019, número 488% maior em relação a 2018, sendo que desse total, 782 pessoas morreram em todo o País”, alerta Chiaradia.

RESULTADOS PRELIMINARES

A cidade de São Paulo, através da LIMPA SP, um dos seis consórcios responsáveis pela limpeza de bueiros na zona norte, já conta, inicialmente, com 500 Bueiros Inteligentes instalados e monitorados, pela Net Sensors. Os resultados preliminares apontam a efetiva gestão dos bueiros, com a redução da incidência de pontos de alagamento nos locais monitorados. No Rio de Janeiro, após a instalação inicial em 600 pontos e a recém aprovada PPP da Iluminação Pública, ocorrerá a instalação de 4 mil bueiros monitorados através da ação SMART RIO. “Em breve, chegaremos a Maricá com 2,5 mil bueiros e nas cidades de Niterói, Cuiabá, Brasília e Salvador, além de já estarmos realizando provas de conceito em cidades fora do país, Miami (EUA) e Cascais (Portugal)”, detalha Chiaradia.

O custo mensal estimado varia de R$ 120,00 a R$ 250,00 por bueiro, dependendo do tipo e tamanho dos mesmos, da logística, dos volumes e dos serviços opcionais agregados, como, por exemplo, roteirização, mão de obra especializada para limpeza, entre outros.

Gostou desse artigo? Compartilhe com seus amigos nas suas redes sociais, seja engenheiro, arquiteto ou simpatizante! Vamos fazer chegar ao máximo de pessoas possível! Conhecimento nunca é demais e com conhecimento poderemos mudar a vida de outras pessoas e melhorar o mundo!

Quer receber mais notícias como essa? Cadastre-se neste site (aqui ao lado) e receba as novidades!

Tem dúvidas, críticas, sugestões? Divida comigo e me ajude a melhorar esse blog! Faça seu comentário!

Fontes:

Advertisements

Um comentário sobre “Startup testa 500 bueiros inteligentes (e antidengue) em São Paulo para minimizar alagamentos

Deixe uma resposta