Estaca Hélice Contínua: Tudo que você precisa saber

Você engenheiro de obra: Já trabalhou com Estaca Hélice Contínua? Sabe quais são as vantagens e desvantagens desse tipo de execução para fundação profunda? Vamos falar aqui um pouco sobre o processo de execução e quais são as principais dicas para você não ter problemas na hora da execução.

O que é?

Estaca Hélice Contínua é um tipo de fundação profunda executada com equipamento de trado helicoidal contínuo que possibilita a perfuração do terreno, realizando a concretagem da estaca simultaneamente à retirada do solo por meio da injeção de concreto através de uma haste central. A estaca tipo hélice contínua se caracteriza por ser moldada in loco e por ter a armadura colocada somente após o lançamento do concreto. Elas são monitoradas por equipamentos eletrônicos garantindo maior controle na execução e na segurança dos elementos da fundação.

Características:

Essa estaca pode ser executada em terrenos coesivos (argilosos e siltosos) e arenosos, principalmente em terrenos abaixo do lençol freático (terrenos que contêm água). Por ser uma estaca escavada, não causa vibrações nos terrenos adjacentes evitando problemas que possam incomodar a vizinhança. Este tipo de estaca apresenta ainda grande velocidade de execução e uma menor geração de ruídos e sujeiras no canteiro de obras.

Devido ao tamanho do veículo de transporte e da máquina perfuratriz usada na operação, o local onde o serviço será executado precisa ser bastante amplo. Além disso, o terreno deve ser plano ou levemente inclinado. o desse método requer uma logística precisa, que conte com uma usina de concreto próxima do local da obra, capaz de fornecer o material sem interrupção. “A equipe de trabalho também necessita de apoio em tempo integral de equipamentos como retroescavadeira, pá carregadeira e escavadeira hidráulica para liberação das frentes de serviços, além de caminhões para remoção constante de material para bota-fora”, acrescenta.

Marcio Abreu de Freitas, engenheiro civil da Geofix Fundações, recomenda que, para a execução de estacas hélice contínua, o terreno esteja seco, limpo e livre de interferências. Se não estiver seco, um sistema de drenagem ou rebaixamento do nível d’água deve ser utilizado. O terreno precisa, ainda, ter condições de suportar cargas maiores que 2,0 kg/cm² no decorrer dos serviços, incluindo eventual fornecimento de entulho ou de material apropriado. “O local da obra deve ter condições mínimas de segurança para os funcionários, conforme a NR-18, assim como proteções coletivas incorporadas à obra”, explica.

“A operação deve contar com o gabarito e localização topográfica das estacas, fornecimento contínuo de concreto conforme especificação em projeto e de acordo com a NBR 6122/ 2010, fornecimento prévio das armações e controle tecnológico dos materiais”, completa Freitas.

Antes de sua execução, é necessário realizar furos de sondagem no terreno para verificar a existência de rochas e matacões que possam danificar o equipamento e para conhecer o tipo de solo no local.

Vantagens

Alta produtividade: Como o processo é monitorado, permite elevado ganho de qualidade e eficiência. Somado a isso, devido ao porte e à metodologia executiva utilizada, é possível obter produtividades muito superiores às demais tecnologias executivas. Por exemplo, é muito comum a execução de até 400 m de estaca em um mesmo dia. Essa elevada produtividade torna as obras mais competitivas e agrega economia ao orçamento. Além disso, apresenta alta capacidade de carga, diminuindo o tamanho dos blocos de coroamento, e é capaz de penetrar camadas resistentes do solo;

Não causa vibrações: Ao contrário das estacas pré moldadas de concreto e metálicas, as estacas hélice contínua não causam vibrações no terreno. Isso ocorre por serem escavadas e não cravadas no terreno. Dessa forma as estacam causam pouca ou nenhuma perturbação nas obras vizinhas. É sempre importante realizar uma visita cautelar na vizinhança antes de se começar qualquer obra;

Baixa emissão de ruídos: Em decorrência de a ausência de vibrações no processo executivo de escavação e de os ruídos apresentados durante a execução serem baixos, esse tipo de estaca torna-se possível e aconselhável em empreendimentos próximos a diversas construções, sem o risco de danificá-las ou incomodar a vizinhança. Entretanto, mesmo assim recomenda-se realizar laudo técnico nas edificações vizinhas antes e após a finalização da fundação, evitando futuros problemas;

Realização abaixo do nível de água: As fundações em hélice contínua podem ser executadas com confiabilidade e qualidade mesmo abaixo do nível de água por existir a possibilidade de concretagem submersa no processo executivo. Esse tipo de concretagem consiste em injetar o concreto do fundo do furo, com pressão monitorada, para o fundo do furo do terreno. Como a concretagem está sendo realizada de baixo para cima, o concreto não tem contato com a água. Está é expulsa do furo pela diferença de peso específico, impedindo a contaminação do concreto;

Limpeza do canteiro de obras: Além de elevada produtividade, facilidade de manuseio do equipamento, rapidez na execução, alta capacidade de carga, o processo executivo proporciona uma obra muito mais limpa do que quando são utilizados outros processos, uma vez que não necessita de água ou lama bentonítica. Contudo, é necessário elaborar um plano de logística para que o solo escavado seja retirado para locais apropriados;

Monitoramento eletrônico da execução: O monitoramento eletrônico da execução é acompanhado por inteiro na cabine de operação e gera diversas informações cruciais sobre o andamento do processo, como a pressão de concretagem, o torque, a velocidade de rotação, a profundidade, entre outras. Dois indicadores são os principais: torque e pressão do concreto. O torque da escavação pode ser relacionado com a resistência da estaca, enquanto o indicador de pressão do concreto deve sempre ficar positivo, pois significa que ele está exercendo esforço nas paredes do furo. Quando a pressão do concreto fica negativa, existe o risco de deformação das paredes laterais da estaca comprometendo a integridade dela. Portanto, o monitoramento permite a correção de qualquer desvio, como velocidade, rotação e os demais parâmetros executivos necessários para produzir uma fundação de qualidade;

Versatilidade: A estaca hélice contínua têm diâmetro de 25 a 150 cm de acordo com os principais equipamentos disponíveis no mercado. Podem ser executadas estacas de grande profundidade, até 38 metros aproximadamente. Além disso, esse tipo de estaca é capaz de penetrar camadas resistentes do solo, facilitando o trabalho dos projetistas;

Facilidade de execução: Dispensa o uso de lama bentonítica ou revestimentos para estabilização das paredes da escavação. O próprio solo aprisionado na hélice desenvolve essa função;

Ecologicamente correta: não produz detritos poluentes (como no caso de estacas escavadas com lama bentonítica) e nem produz poluição sonora (como no caso de estacas cravadas).

Desvantagens

  • É um equipamento grande e por isso necessita-se de uma área ampla na obra e de terreno plano ou pouco inclinado para a sua instalação. Além disso, é necessário uma central de concreto relativamente próxima a obra;
  • Não podem ser executadas em terrenos com presença de rochas e matacões, já que a hélice não consegue fazer a perfuração;
  • Custo relativamente alto se comparado a outros métodos de execução de fundações devido a mobilização dos equipamentos;
  • Se o maior esforço for de tração é necessário armação com comprimento maior e isso pode causar uma dificuldade durante a execução. Para resolver isso, leia as dicas do processo executivo;
  • Limitação de profundidades.
  • Não permite controle de execução via nega e repique elástico.

Processo Executivo

http://www.escolaengenharia.com.br

Perfuração: O processo executivo consiste, primeiramente, em realizar a escavação da estaca, com o diâmetro e a profundidade definidos pelo projeto geotécnico. Nessa etapa, o solo é perfurado de forma contínua, sem a retirada do material escavado o que garante a integridade das paredes laterais do furo. A hélice não deve ser retirada do solo em momento algum até que se atinja a profundidade desejada. Isso garante a estabilidade do furo até a concretagem tanto em solos coesivos como arenosos, na presença ou não de lençol freático.

Concretagem: A concretagem ocorre antes da colocação da armadura e deve ser iniciada após ser atingida a profundidade de projeto. Quando a cota de assentamento da ponta da estaca é alcançada, inicia-se o processo de lançamento do concreto. Esse processo é realizado simultaneamente à retirada do trado com o solo escavado, o que impede o desconfinamento das paredes laterais do furo. Neste momento, não deve haver rotação do trado. De acordo com a NBR 6122/2010, o concreto deve apresentar resistência característica (fck) de 20 MPa;

Armação com 13 m de comprimento – Fonte: Engenheironaweb.com

Colocação da armadura: Após a conclusão da concretagem, são realizados o içamento e a introdução da armadura. Para que seja possível, é essencial que o concreto utilizado apresente o slump adequado. A recomendação é que o abatimento seja de, no mínimo, 22 +–2 cm. A armadura deve ser introduzida por gravidade ou com o auxílio de um pilão de pequena carga. Em alguns casos, pode-se utilizar uma escavadeira para introdução da parte final da armação;

Quando a armadura é introduzida até a cota de projeto, a estaca está concluída. É importante ressaltar que todos os processos — desde a escavação até a concretagem — são monitorados por computador, garantindo a qualidade do serviço executado.

O monitoramento por computador também fornece informações de excentricidade e desaprumo. Essas informações são essenciais, pois existem limites normativos que devem ser respeitados.

Dicas importantes:

  • Independentemente da dimensão da estaca, algumas excentricidades são aceitáveis por norma, sem qualquer correção, sendo o desvio máximo permitido de 10% da menor dimensão da estaca entre o ponto de aplicação das solicitações do pilar e o eixo da estaca. Nesses casos, aceita-se sem correção um acréscimo de até 15% sobre as cargas — seja a admissível ou a resistente de projeto.
  • Quanto ao desaprumo das estacas, não há necessidade de verificação de estabilidade e resistência, nem de medidas corretivas para desvio de execução, em relação ao projeto, menores que 1/100.
  • Em alguns casos, a estaca será utilizada principalmente para resistir a esforços de tração e, como já sabemos, o principal material a ser acionado é o aço. Sendo assim, nesses casos, é importante conferir se a armadura está dimensionada para toda a estaca (por exemplo, uma estaca com 13 metros de comprimento deveria ter 13 metros de comprimento de armação). Quando isso acontece, é importante ficar atento às dimensões dos espaçadores e do diâmetro do furo e da armadura para que facilitem a colocação da mesma. Caso o projetista e o empreiteiro se sintam mais confortável, existe a possibilidade de colocar uma armadura mais convencional (com estribo helicoidal) nos primeiros metros e uma barra centralizada ao longo de toda a estaca. Já tivemos esse tipo de problema em obras e em alguns casos só conseguimos resolver instalando a barra central já que com a armação de 12 metros o empreiteiro teve bastante dificuldade de executar as estacas.

  • É importante que a equipe de trabalho tenha o apoio em tempo integral de equipamentos como retroescavadeira, pá carregadeira ou escavadeira hidráulica para liberação das frentes de serviços, além de auxílio no posicionamento da armação (em alguns casos a armação tem mais dificuldades para descer e a empresa precisa utilizar esses equipamentos). Para isso, é importante deixar as barras de ponta da armadura mais unidas para facilitar o apoio da máquina, sem amassar o ferro;
  • No processo executivo da Estaca Hélice Contínua, como é empregado um concreto com um elevado abatimento (slump teste mínimo de 22 ± 2cm), não se pode executar uma estaca próxima a outra recentemente concluída pois pode haver ruptura do solo entre as mesmas. Como regra geral orientativa, recomenda-se que só se execute uma estaca quando todas num raio mínimo de três diâmetros já tenham sido concretadas há pelo menos um dia. O ideal mesmo, é que se garanta 5 vezes o diâmetro da estaca;
  • Uma atividade também importante para o bom desempenho da estaca corresponde ao corte e preparo da cabeça da mesma. Embora este serviço não faça parte da execução da estaca e seja realizado, na grande maioria dos casos, quando a equipe de estaqueamento já não mais se encontra na obra, cabe lembrar o responsável por este serviço que um preparo adequado é de fundamental importância para o bom desempenho do conjunto estaca-bloco. Deve-se remover o excesso do concreto acima da cota de arrasamento utilizando-se um ponteiro, trabalhando com pequena inclinação para cima. Também se permite o uso de martelete leve (geralmente elétrico) tomando-se os mesmos cuidados quanto à inclinação. Se, ao atingir a cota de arrasamento o concreto não apresentar qualidade satisfatória, o corte deve continuar até se encontrar concreto de boa qualidade, sendo a seguir emendada a estaca.
Estaca Hélice Contínua após a quebra da cabeça chegando na cota de arrasamento

Gostou desse artigo? Compartilhe com seus amigos nas suas redes sociais, seja engenheiro, arquiteto ou simpatizante! Vamos fazer chegar ao máximo de pessoas possível! Conhecimento nunca é demais e com conhecimento poderemos mudar a vida de outras pessoas e melhorar o mundo!

Quer receber mais notícias como essa? Cadastre-se neste site (aqui ao lado) e receba as novidades!

Tem dúvidas, críticas, sugestões? Divida comigo e me ajude a melhorar esse blog! Faça seu comentário!

Fontes:

Advertisements

Um comentário sobre “Estaca Hélice Contínua: Tudo que você precisa saber

Deixe uma resposta